Pin It
Home » Viagens fora do Brasil » Preparando uma viagem a Machu Picchu, Peru


Machu Picchu sempre foi um sonho. Aliás, acho que é de muita gente. Mas sei lá por que, nunca havia considerado seriamente uma viagem para lá. Ficava no sonho. Já até havia planejado um mochilão pelo país, estudado uma coisinha ou outra mas nada sério. Até que em março de 2013 apareceu uma dessas promoções de passagens aéreas que tiram o sono da gente. Barato, conexões ruins em horários ruins. Mas comprei. Tá, começou a correria pra fazer roteiro, procurar informações, ver preço de tudo e fazer contas e mais contas pra ver de onde a grana ia sair! Ufa!

E vamos para o Peru! :D

E vamos para o Peru! :D

Por onde começar?
Fóruns e blogs de viagem. Não tem erro.
Esse é o ponto de partida. Entrei no mochileiros.com e fucei tudo o que tinha sobre Cusco e Machu Picchu. Dá trabalho, muita informação repetida, muita gente não tem paciência de ler e pergunta a mesma coisa zilhões de vezes. Mas li, como sempre leio. As dúvidas vieram, perguntei. Como sempre o pessoal do fórum é muito legal e “ajuda quem cedo madruga”. Li relatos e opiniões.
Fui atrás dos relatos dos colegas blogueiros de viagem pra consolidar as informações. Achei muitos. Dúvidas, perguntei. Responderam. Tá… a base já estava montada e eu já sabia o que queria conhecer e o que daria para conhecer.

Vôos
Como eu disse, comprei promoção e não tinha opção de escolha nas conexões. Então na ida, a madrugada ia ser longa no aeroporto de Lima e na volta, mais longa ainda no aeroporto de Guarulhos. Segundo passo foi então pesquisar nossa “hospedagem” nas cadeiras e no chão dos aeroportos. É, dinheiro apertado não dava pra pagar hotel pra 4 pessoas em aeroporto ou proximidades. O jeito seria matar o tempo por lá. A pesquisa incluiu também os serviços 24h como alimentação, ATMs e câmbio. A conexão era de madrugada e não ia dar nem pra gente conhecer um pouquinho de Lima.
Ja que nunca havíamos pernoitado em aeroporto, Marcos ficou encarregado de procurar informações sobre o assunto e topou com o divertido “The Guide to Sleeping in Airports“. Foi bom pra gente entrar logo no clima. :)

PeruTaxa de aeroporto no Peru? Que treco é esse?
Pois é. Li por aí que além da famigerada taxa de embarque já paga no ato da compra da passagem, no Peru ainda se paga outra famigerada taxa de uso do aeroporto. Li aqui, li ali e fiquei na mesma. Paga ou não paga? Onde? Quanto? Aceita cartão? Aceita dólar? Liguei pra TAM, que respondeu que haveria sim uma taxa de U$ 31 por passageiro a pagar na chegada no aeroporto de Lima. Caaaaro! Socorro! Não aceitavam cartão mas aceitavam dólar. Humm… ok. Minha preocupação era o câmbio da grana pois só teríamos Reais e Dólares quando chegássemos em Lima às 23h.

E aí, paguei ou não paguei a taxa de uso?
Quando eu digo que não dá pra confiar em atendente de companhia aérea ninguém acredita. Mas eu já levei muito puxão de orelha de chefe por causa deles. Falam uma coisa, juram que é aquilo e na prática o negócio é outro. Enfim, não paguei taxa nenhuma no aeroporto de Lima, mas desconfio que foi por termos chegado com LAM à Lima e não com TAM.

Dinheiro = câmbio
Toda viagem internacional onde a moeda principal não é o dólar, levanta essa dúvida. O Real brasileiro é moeda mais forte que o Nuevo Sol peruano. Algo em torno de R$ 1 = NS$ 1,28
Levei uns Reais e comprei uns Dólares para trocar no Peru.
Mas e o tal câmbio no aeroporto que estava me deixando preocupada? Pois é. Perguntei a uns e outros e ninguém soube me responder. Mandei então um e-mail usando meu espanhol enferrujado pro aeroporto de Lima. Jurei que não responderiam. Responderam me instruindo para entrar em contato com o Interbank. Mandei e-mail pro Interbank então. Marcos jurou que não me responderiam. Responderam. Sim, tem como fazer câmbio no aeroporto de Lima a essa hora, Interbank atende 24 horas e tem guichês no piso 1 e no piso 2 do aeroporto.
Claro, além disso tem os terminais de saque (ATMs) onde você pode usar o cartão de débito do seu banco para sacar direto em Nuevo Sol (tem que desbloquear o cartão para essa função antes de viajar, ok?).

Dica 1: geralmente as taxas de conversão de moeda em aeroportos são as piores. Então troque só uma pequena quantia para lanches, taxi e deixe para trocar o resto na cidade. Quando fui, compensava muito mais trocar dólares pela moeda peruana do que trocar real.

Dica 2: Não leve notas de dólar muito velhas pois eles encrencam com elas e não recebem.

Em Cusco qualquer birosca troca dinheiro. Além das agências do Interbank você acha cambistas espalhados por todo canto. Sempre há uma plaquinha na porta das lojas indicando que se faz câmbio. Mas claro, cuidado com as furadas. A diferença de taxa é tão mínima que não vale arriscar.

Nuevo Sol, moeda peruana. verso da nota de 10 soles com a imagem de Machu

Nuevo Sol, moeda peruana. verso da nota de 10 soles com a imagem de Machu Picchu

Documentação
Essa foi fácil. Não é necessário passaporte para entrar em território peruano. Uma carteira de identidade em bom estado de conservação que tenha sido emitida há, no máximo, 10 anos, é aceita. Mas quem tem passaporte vale a pena levar, até mesmo para carimbar a visita a Machu Picchu.

Carimbo disponível na portaria do parque de Machu Picchu

Carimbo disponível na portaria do parque de Machu Picchu

Vacina contra a febre amarela
Polêmica. Muita desinformação por aí… uns diziam que era obrigatório, outros diziam que não era. Liguei pro Consulado do Peru e para a ANVISA e ambos disseram que não era mais obrigatório. De qualquer jeito, eu não poderia tomar pois faço tratamento imunológico. Se você também faz, NÃO TOME! Marido e meninas decidiram não tomar.
Mas, se escolhessem tomar, era só ir a um posto de saúde em até 10 dias antes da viagem e pronto. Para alguns países essa vacina é obrigatória e quem não pode tomar deve pedir uma declaração ao médico, que precisa explicar o motivo e, então, de posse desse documento, ir à ANVISA para pegar um outro documento e poder viajar. Bem, pra quem pode tomar, no posto de saúde eles dão uma carteirinha de vacinação atestando que você tomou a vacina. Essa carteirinha você deve levar num posto da ANVISA para emitir o certificado internacional de vacinação. É também gratuito e emitem na hora. Nos aeroportos internacionais costuma ter um posto ANVISA e você pode fazer a troca no dia do vôo mesmo (não funciona 24 horas, heim!). Alguns postos de saúde já emitem o certificado te poupando a visita à ANVISA. Informe-se.

Hotel
Uns falavam para reservar com antecedência. Outros diziam que reserva antecipada custava muito mais caro. Como eu estava indo com marido e filhas dele, resolvi não arriscar, mesmo não sendo alta temporada. A idéia de ficarmos num hostel tinha saído da minha lista de considerações por vários motivos, especialmente para fugir da zoeira que a maioria dos hostels tem. Então dei uma olhada geral no Google Maps procurando as melhores áreas, rodei pelos sites de hotéis como Booking, Expedia e afins e achei um hotel que me pareceu bom. Pra quem não conhece o Google Maps, vai a dica de um bom tutorial de uma colega blogueira sobre como planejar uma viagem usando o Google Maps. Bem, fui no TripAdvisor, li os comentários e achei que estava de bom tamanho para o que eu queria. Com o preço dele em mente, entrei em contato direto com o hotel e pedi desconto em um quarto para quatro pessoas com banheiro privativo. Nossa! Odeio pechinchar, mas como dizem que no Peru não se vive sem isso, já comecei antes de ir. Resposta positiva, descontinho ganho, hotel perto da Praça de Armas confirmado. Êba! :)
Outra coisa que me fez preferir reservar hotel antes foi o tal soroche ou “mal da altitude”. É, não estava a fim de chegar com risco de me sentir mal e ainda ter que rodar procurando hotel.

Boleto turístico de Cusco. Comprar ou não comprar?
É uma pergunta difícil de responder. Mas geralmente vale a pena. O preço normal é 130 s/ e para estudantes com a carteirinha ISIC é 70 s/. O boleto turístico de Cusco dá direito de acesso a Saqsaywaman, Puka Pukara, Tambomachay e Qenqo que são parte do City Tur (menos ao Qoricancha, que é 10s/ e onde a ISIC também vale). Também inclui Moray, mas não inclui Maras. Inclui Pisaq e Ollantaytambo no Vale Sagrado. Outros sítios arqueológicos inclusos são: Chinchero, Tipón e Pikillacta. Para quem gosta de museus, possivelmente vale a pena. Mas para quem quer visitar só igrejas, talvez não valha. Então tudo depende do que você pretende ver por lá. Nós compramos.
Cada circuito custa separado 70 s/ e são divididos assim:
Circuito 1: Ruínas locais- Saqsaywaman, Qenqo, Tambomachay, Puka Pukara
Circuito 2: Atrações dentro da cidade de Cusco e Museus
Circuito 3: Valle Sagrado: Pisaq, Ollantaytambo, Moray, Chinchero, Tipón e Pikillacta
Ah, o boleto vem no seu nome e tem validade de 10 dias e não pode ser comprado online

Boleto Turístico del Cusco

Boleto Turístico del Cusco

Passeios
Pesquisei as opções, li opiniões e decidi o que iríamos fazer por lá. Em seguida bolei um esquema na mente para viabilizar os passeios da maneira que eu queria. Agência? Taxi? Ônibus? Foi a hora de pensar em tudo isso.

Como fizemos: Chegamos a Cusco pela manhã e fomos descansar pra fugir do soroche (mal da altitude). À tarde resolvi dar uma esticadinha até à Praça de Armas e lá pesquisamos alguns preços de passeios. A agência que usamos foi a Peru Golden Treks & Expeditions (Galerías La Merced). Essa agência foi indicada pelo nosso hotel e foi a que ficou mais barata, U$60 a menos no total. Optei pelos passeios clássicos e fechamos com eles num pacote só: City Tour, Maras e Moray, Vale Sagrado, entradas para Machu Picchu, hotel em Águas Calientes, guia, ônibus de ida x volta para a cidade Inca e o retorno de Ollantaytambo para Cusco. Fique atento pois algumas agências não incluem o ônibus de ida e volta para Machu Picchu. E algumas incluem a ida e não a volta.


Transporte
Vou deixar para falar sobre transporte até Machu Picchu em um próximo post mais específico.
Mas falando no geral, taxi em Cusco e região não é caro como na maioria das cidades brasileiras.

Chegamos em Cusco e perguntei à mocinha do centro de informações turísticas do aeroporto qual seria o preço justo num taxi até nosso hotel. Com o nome do hotel ela calculou uns 10 s/. Na saída os taxistas pediram 30 s/. Pechinchei, claro! Ofereci 10 s/ e nenhum topou. Ainda ficaram rindo e fazendo piadinhas debochadas. Não dei bola e continuei andando em direção ao estacionamento onde vi mais taxistas. Mais uma enxurrada de taxistas pedindo 20-25 s/, ofereci 10 s/ e no fim fechamos em 15 s/ com um deles. Um pouco mais de insistência e ele teria aceitado nos levar por 10 s/. Mas o cansaço e a vontade de chegar logo no hotel me impediram de prosseguir com a pechincha.

Quem não vai por agência e não tem o transfer incluído no pacote, pode combinar com o hotel. A maioria deles oferece esse serviço.

No retorno nosso hotel nos conseguiu um taxi por 10s/. Ainda mais barato do que a minha pechincha conseguiu. :)

Há muitos taxis e os mais baratos são geralmente os mais simples. Ms cuidado pois há alguns bem surrados e suspeitos.
Lá não há taxímetro. Combine o preço antes de entrar no taxi.

Tipos de taxis muito comuns em Cusco

Tipos de taxis muito comuns em Cusco

Há ônibus em Cusco para fácil deslocamento dentro da cidade e também para outras cidades.

Machu Picchu
Ok, passeios estudados e era hora de chegar na vedete dessa viagem: a cidade Inca nas montanhas. Como chegar? Trem e depois ônibus. Ok, compro passagens antes, ainda aqui no Brasil? Ou deixo pra comprar lá? Outra dúvida que me perseguiu por dias e dias. Decidi comprar pois as passagens mais baratas acabam rápido. Comprei online pelo site da Peru Rail. Também tem a Inca Rail. Ô raios de coisa cara esse trem! Eu heim!
O ônibus não dá pra agendar antes e nem precisa. É só chegar em Águas Calientes (ponto final do trem) e comprar o bilhete do ônibus. Eles saem o dia todo rapidinho sem horário marcado.
Mas e a entrada pra Machu Picchu? Essa não tinha jeito, já que as meninas usariam suas carteirinhas de estudante para ganhar o desconto e, para isso, a entrada teria que ser comprada no local. Sim, às vezes é possivel comprar pelo site, mas o governo peruano vive mudando as regras. Às vezes dá, às vezes não dá.

Ainda no dilema do trem, outra dúvida: via Ollantaytambo ou Poroy? Me decidi por fazer Ollanta x Aguas Calientes x Ollanta.

Tem rota alternativa? Tem. Faz baldeação, anda pra burro, gasta quase o dia todo mas foge da taxa caríssima do trem. É o tal caminho pela hidrelétrica. Desisti com medo da altitude nos cansar demais.

Dá pra ir de trem até Águas Calientes e ir andando depois até Machu Picchu sem precisar pegar o ônibus? Dá, tanto ir quanto voltar.

Pernoitar em Águas Calientes, Ollantaytambo ou Cusco mesmo? Quem quer chegar cedo no parque não tem dúvida: dormir em Águas Calientes é essencial.

Nesse post aqui eu explico direitinho como chegar a Machu Picchu. Dá uma olhada lá.

Roupas
Ih… complicado. Minha viagem era no meio de abril. Que **DÚVIDA**!!! Vi fotos do pessoal por lá em pleno verão com gorro, luva. Então sei lá, o tempo era uma incógnita e as roupas mais ainda. Resolvi levar umas blusas de fleece, um bom casaco impermeável, meias, luvinhas e afins. Até porque eu quase não sinto frio… né? Rsrsrs… :P

O que aconteceu de fato foi que durante o dia o sol sapeca de tão quente (lembra da altitude, né?) e à noite é uma friaca! No primeiro dia de passeio usei gorro, luva e casaco impermeável por causa do vento nas ruínas de Saqsaywaman. Brrr… depois disso o casaco se aposentou na viagem. Mas os fleeces foram usados o tempo todo.

Em Machu Picchu a situação é complexa quanto a roupa. Como é montanha e pode estar cheio de neblina e frio e até chovendo e, logo em seguida, abrir um sol quente de repente. Quando acordamos pela manhã em Águas Calientes o tempo estava fechado, havia chovido durante a noite. Tinha neblina mas foi se dissipando e, quando chegamos ao parque, o sol já estava firme e forte.

Ideal é levar capa de chuva, gorrinho, blusa. Uma calça bermuda pode ser bem útil na hora dessa variação de tempo. A calça comprida também ajuda a afastar os insistentes mosquitos que adoram passar o dia picando os turistas.

Seguro viagem. Precisa?
O Peru não exige seguro viagem, mas eu não viajo sem!
Quem compra o bilhete aéreo todo com o cartão Visa tem direito a um seguro viagem gratuito para o titular do cartão e família (marido/esposa e filhos). No nosso caso, fomos eu e Marcos com o seguro do Visa e fiz um Mondial para as meninas pois eu sou a titular do cartão que usamos para a compra das passagens e não são minhas filhas, são filhas só do Marcos. Ninguém precisou usar o seguro, mas já precisamos em viagens anteriores.

Para adquirir o seguro é fácil. O seguro do cartão você só precisa ligar pra lá e solicitar. A apólice está online e você preenche e imprime. Os outros seguros você também compra online, pode parcelar e também imprime a apólice online.

Quem vai viajar com agência deve exigir isso do agente de viagem. Viajar sem seguro é perigoso.

Mais o quê?
Carteirinha ISIC para estudante vale em vários locais. Vale a pena, mas só se você tiver até 25 anos. O custo da carteirinha em 2013 era de R$ 40,00, eles faziam pela Internet e você recebia em casa.
– Roupas esportivas, botas, bastões e objetos para trilhas costumam ser mais baratos em Cusco do que no Brasil. Mas quem vai passar por Lima, vale a pena comprar lá. É bem mais barato.
– O café peruano é ruim de dar nó em qualquer estômago. E o leite não fica atrás.

Duvidas? Ajudamos. Posta aí nos comentários.

Peru em 19 minutos:

Outros artigos sobre o Peru:
Museu Inca de Cusco
Hotel Inti Pata, Águas Calientes
Valle Sagrado de Los Incas – Parte II: Ollantaytambo
Valle Sagrado de los Incas – Parte I: Pisaq
Salineras de Maras, Terraços de Moray e lã em Chinchero, Peru
Soroche ou mal da altitude. O que é e como evitar
Hotel Royal Qosqo, Cusco, Peru
Como chegar a Machu Picchu
Machu Picchu, a cidade Inca nas montanhas
Cusco, o umbigo do mundo fica no Peru

Gostou do artigo? Dê um “curtir” e compartilhe com seus amigos!


Siga-nos no Twitter: @viagensandancas (www.twitter.com/viagensandancas)
Curta o Viagens & Andanças no Facebook: www.facebook.com/viagenseandancas

      Receba nossas atualizações por e-mail:

 

 

53 Responses to Preparando uma viagem a Machu Picchu, Peru

  1. Pigossi disse:

    Nao ha como ter duvidas!!!
    Simplesmente seu relato está sensacional!!!Estou indo agora no começo de outubro e ele me ajudou demais!!
    Parabensssssss!!!!

  2. Alex disse:

    Você pagou alguma taxa de embarque? Lima x Cusco X Lima ou Lima X SP?

    Isso existe ou é lenda?

    Existe algum local específico para se pagar?

  3. Abel disse:

    Oi Camila, irei com meu filho à Machu Picchu em outubro, e tenho umas dúvidas:
    – Desejo adquirir os ingressos para MP e Huaynapicchu pelo site do governo, que disponibiliza dois horários de entrada (7 às 8hs e 10 às 11hs). Qual o melhor horário? Existe limitação de tempo de permanência?
    Chegarei a Cusco às 18hs. Seria possível conseguir tour para a manhã seguinte?
    Pedi a uma empresa de lá para montar e orçar um roteiro de quatro dias, incluindo transporte, guia compartilhado e ingressos aos locais a serem visitados (incluindo MP e HP) e passagens de trem “Expeditions” Cusco-Águas Calientes-Cusco. Cobrou 520 dólares por pessoa. Será que contratando lá sairia mais barato?

    • Camila Guerra disse:

      Oi Abel!
      Não fui a Huayna Picchu mas há quem prefira ir no primeiro horário e há quem prefira ir no segundo. O problema de ir no primeiro é a névoa (ruço) que normalmente cobre as montanhas da região pela manhã. Se houver, você corre risco de não conseguir ver nada. Nunca ouvi falar em tempo de permanência por lá. Acho que não tem.
      Não me recordo o horário que as agências fecham, mas ficam abertas até mais de 18h com certeza.
      Não sei dizer se o valor tá justo sem saber o que está incluído no preço, mas eu diria que lá você sempre consegue mais barato. É só chorar um pouco e pedir desconto que eles vão caindo o preço.
      []’s

  4. Ana disse:

    Oi, Camila
    td bem?
    Em qual hotel vc ficou em Aguas Calientes?
    Estou numa dúvida cruel em qual escolher…..

    obg
    Ana

  5. sonia disse:

    Olá Camila,
    Também comprei a passagem promo pra Cusco, e estou indo com meu marido na segunda quinzena de outubro. Garimpando dicas aqui e acolá na web acabei no seu blog e está sendo super!
    O seu roteiro de Cusco é parecido ao que eu gostaria de fazer mas fiquei com uma dúvida me atormentando (até busquei em outros posts mas não consegui encontrar se vc havia dito algo sobre isso) com os passeios que você fechou no Peru: Valle Sagrado e Macchu Picchu incluindo uma noite em Águas Caliente: você levou toda a sua bagagem para Águas Calientes ou deixou no hotel em Cusco?

    um beijo e obrigada

    • Camila Guerra disse:

      Oi Sonia,
      Como eu ia retornar a Cusco, deixei a bagagem toda no hotel que ficamos em Cusco. Levei só mesmo uma mochila com algumas coisas para o pernoite em Águas Calientes, câmera, dinheiro, etc. Todo mundo faz isso por lá e é bem seguro. Os hotéis já têm um quarto especial para deixar malas e mochilões do pessoal que não quer carregar a tralha toda pra Machu Picchu. E não cobram nada por isso.
      Mesmo assim a mochila que levei pra Águas Calientes ficou um pouquinho pesada, então tirei algumas coisas e deixei em sacolas no hotel em AC, mesmo esquema. Quando voltei de Machu Picchu, peguei minhas sacolas em Águas Calientes e estava tudo direitinho.
      É a melhor solução. ;)
      []’s

      • Sonia disse:

        Oi Camila,
        Muito obrigada pela resposta! Farei dessa forma também.

        Estou fechando o hotel agora (pensamos em ficar aqui: http://www.amaruhostal.com). Eu , assim como você deixarei para comprar esses 2 passeios quando chegar lá, mas já devo avisar ao hotel que pretendo passar uma noite em Águas Calientes, mas que não sei a data exata ainda?
        um beijo e, mais uma vez, muito obrigada,

        • Camila Guerra disse:

          Oi Sonia,
          Como fechei o hotel diretamente, informei uma data “provável” que pernoitaríamos em Águas Calientes. Não me cobraram esse dia, claro. Fiz meu roteiro, escolhi a data para visitar Machu Picchu e não precisamos mudar, fomos mesmo na data escolhida. Como era baixa temporada, se eu tivesse resolvido mudar a data, tenho certeza que eles não se importariam. Você vai ter que negociar com o hotel sobre essa data, especialmente se for em alta temporada. Também pode reservar só alguns dias e quando estiver lá, decidir pelo restante.
          Não conheço o Amaru hostal, mas parece bom. Tem boas avaliações no Booking.com
          []’s

  6. Alessandra Paes disse:

    Olá Camila,

    Gostaria de tirar algumas dúvidas em relação aos passeios. Pode me ajudar? Chego em Cusco no início de Outubro e gostaria de saber o valor médio do pacote para comparação. Vamos, eu e uma amiga, fazer o percurso muito semelhante ao seu. Consultamos vários amigos e todos falam um valor diferente.

    Bjs, e muito bom o blog! Está sendo demasiadamente útil! Obrigada!

    • Camila Guerra disse:

      Oi Alessandra, obrigada!
      Se você se refere ao pacote que eu fechei com a Peru Golden Treks, foi U$150 por adulto e U$ 120 para cada filha (por causa da carteirinha ISIC que vale em Machu Picchu).
      O pacote incluiu:
      – City Tour de Cusco (entradas à parte)
      – Maras e Moray (entradas à parte)
      – Valle Sagrado com almoço (entradas à parte)
      – Hotel em Águas Calientes
      – Ônibus de ida e volta de AC para Machu Picchu
      – Entradas para Machu Picchu
      – Retorno de Ollanta para Cusco em van
      Os tickets do trem eu já tinha comprado online ainda no Brasil. E sobre as entadas, como disse no artigo, eu comprei o boleto turístico.
      Sobre valores diferentes, sim, pois depende de alguns fatores. Além de levar em consideração as temporadas (alta/média/baixa), cada agência cobra uma coisa e tudo vai depender do seu “poder de negociação”. Eles te dão um preço, você chora e pede desconto. Eles dão desconto e dizem que é o preço final. Aí você chora e eles dão mais um descontinho… e por aí vai. Como éramos 4 pessoas, consegui um bom desconto depois de uma boa choradeira. Rsrsrs… :)
      []’s

  7. Victor Lopes disse:

    Olá Camila,
    Viajo pro Peru em Setembro! =-)
    Fiquei com uma dúvida, estarei saindo da cidade de Cusco para Machu Picchu, e não entendi a questão do trem, como faço?
    Esta é a minha maior dúvida!
    Quanto aos passeios, é necessário comprar o boleto turistico para entrar nos lugares, mas ele da direito ao city tour? ou só por agência mesmo?
    Muito obrigado!

    • Camila Guerra disse:

      Oi Victor,
      O que exatamente você não entendeu sobre o trem?
      O boleto turístico é um “pacote” onde você compra as entradas para alguns lugares. E por comprá-las junto, ganha desconto. São 3 tipos de boletos turísticos, cada um vale 70 soles se comprados separadamente. O boleto geral vale 130 soles. Pra saber se vale a pena e qual comprar, você precisa primeiro decidir onde vai. O boleto turístico dá direito a entrar nos locais do city tour (e outros), mas se você quer transporte+guia com agência, vai precisar pagar a agência pra isso. Elas vendem o pacote do city tour sem o boleto turístico, é só mesmo o ônibus e o guia. Ou você pode pagar as entradas diretamente nos locais que for visitar, sem precisar comprar o boleto. Se for a vários locais, vai acabar saindo mais caro. Aqui eu explico como o boleto funciona: http://www.viagenseandancas.com.br/2013/05/preparando-uma-viagem-a-cusco-e-machu-picchu-peru. Dá uma olhada no artigo sobre o city tour pra você entender melhor.
      []’s

  8. Allan disse:

    Oi Camila, parabéns pelas dicas! Qual a melhor forma de pagar as contas por lá? Vc experimentou alguma restrição quanto ao uso de cartao de crédito nessa viagem? Ouvir q eles cobram uma percentagem de 12% sobre o uso do cartão!

    Desde logo, agradeço!

    Att.

    Allan.

    • Camila Guerra disse:

      Olá, Allan!
      Nunca tive problemas com cartão de crédito nos EUA e em nenhum outro lugar que visitei no exterior.
      Há várias maneiras de levar dinheiro ao exterior. Eu particularmente não gosto de usar o cartão de crédito por causa do imposto da Dilma (IOF) de 6,38%.
      Lá nos EUA você tem que ficar atento pois o valor do imposto (o americano, não o IOF. Este último só vem na fatura do cartão) não é incluido no valor anunciado do produto. Isso quer dizer que você vê um preço na prateleira e quando vai pagar no caixa eles colocam o imposto deles em cima. No Brasil o valor do imposto já está incluido no preço final do produto. Cada estado tem um valor de imposto diferente. É bom saber quanto é o imposto de onde você vai para poder fazer as contas antes de comprar e não morrer de susto depois no caixa. :)
      As compras no cartão, além do IOF têm uma pequena desvantagem (ou vantagem em alguns casos) que é o câmbio no momento do fechamento da fatura e não da compra.
      Uma opção muito utilizada, especialmente nos EUA é o cartão pré-pago. Confesso que nunca usei mas é uma opção mais segura que o dinheiro e mais barata que o cartão de crédito.
      Se o montante que você levar para fora do país exceder os R$ 10.000 (incluindo dinheiro e cartão pré-pago, precisa declarar, veja só: http://bit.ly/13FDAGp
      []’s

  9. Atsu disse:

    Muito legal o seus posts sobre Cusco/Machu Picchu, tambem comprei a passagem promo pra Cusco, estamos indo pra la no final do mes. Coletando algumas dicas na web acabei no seu blog!

    • Camila Guerra disse:

      Legal, Atsu! Seja bem vindo! :)
      Ainda vamos publicar vários outros artigos sobre nossa viagem.
      Vi no seu blog que esteve lá há 11 anos atrás. Pretendo voltar um dia para fazer tudo de novo. :D
      []’s

  10. Cristiano disse:

    Muito bacana o post! Parabéns.
    Dois comentários, primeiro sobre a vacina, para evitar dúvidas eu consulto o site da OMS. Tem um PDF com as regras de todos os países http://www.who.int/ith/chapters/ith2012en_countrylist.pdf
    No caso do Peru, a resposta é depende do que você vai fazer. :)
    Sobre o seguro viagem do cartão, o AMEX e o Master também tem, mas depende do tipo de cartão (Ouro, Platinum, etc) acho que isto também se aplica ao VISA.

    abs

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

Scroll to top