Pin It
Home » Viagens fora do Brasil » Onde comer (ou não) em Bariloche e San Martín



cu
Gastronomia em Bariloche

Gastronomia em Bariloche

Em Bariloche o que não falta são bons resturantes e pratos interessantes e diferentes para um bom almoço ou jantar. Em nossa estadia por lá, resolvemos experimentar alguns dos resturantes mais comentados e outros mais simples, mas nem por isso de qualidade inferior.

Curioso nos restaurantes em Bariloche é que você paga para sentar-se à mesa. É, também achei estranho, mas é mais comum do que a gente imagina. Quando você receber a sua conta ao final da refeição, repare que um dos itens é o tal “cubiertos”. Nada mais nada menos que o valor que você paga ao restaurante para ter direito a usar os talheres. O valor varia muito mas geralmente fica em torno de AR$ 4 a AR$ 6 por pessoa.

Outra coisa que vale comentar é que, na Argentina, os 10% do garçom não vêm incluídos na continha. Em alguns lugares eles até escrevem à caneta na conta dos estrangeiros, mas na maioria das vezes, se você quer pagar os 10% ao garçom (ou o valor que desejar), tem que fazer o cálculo você mesmo e entregar o dinheiro a mais.

Nessa viagem praticamente só jantamos pois durante o dia estávamos nos passeios. Geralmente comíamos um sanduíche e deixávamos a refeição principal para a noite. Nos meses de alta temporada, os restaurantes em Bariloche lotam e é comum ter fila de espera.

De um modo geral, os preços dos restaurantes em Bariloche e região não são absurdos, como muita gente pensa. Com cerca de AR$ 120-200 (dependendo do restaurante e do prato) duas pessoas comem muito bem, com bebidas incluídas.

A região de Bariloche tem alguns pratos típicos, como o famoso cordeiro patagônico, a carne de cervo e de javali, além da tábua de defumados com produtos da região. Nós experimentamos alguns e contamos nossa opinião.

Restaurante La Marmite
Vamos começar do começo. Esse foi nosso primeiro restaurante da viagem. A especialidade do La Marmite é o fondue que, diga-se de passagem, é realmente uma delícia. Em nosso primeiro dia na cidade andamos bastante procurando no comércio da rua Mitre uma luva impermeável. O bate perna nos deixou com muita fome e logo começamos a pensar onde iríamos jantar. Foi quando olhei para cima e vi a placa do La Marmite, sobre o qual eu já tinha lido boas coisas.
O restaurante é relativamente pequeno, mas uma gracinha. Ambiente super aconchegante e o melhor atendimento que recebemos nos restaurantes da cidade.

Restaurante La Marmite, na rua Mitre em Bariloche

Restaurante La Marmite, na rua Mitre em Bariloche


No cardápio várias opções de carnes, mas como o La Marmite é conhecido pelo seu excelente fondue de queijo suíço, claro, foi o que pedimos. E adoramos. Recomendo de olhos fechados o fondue de queijo do restaurante La Marmite. Gostamos tanto que voltamos lá um outro dia.

Fondue de queijo do La Marmite. Recomendamos!

Fondue de queijo do La Marmite. Recomendamos!


Restaurante Boliche de Alberto – Parrilla
O Boliche de Alberto é um dos restaurantes mais falados do centro de Bariloche. Fomos animados para comer um cordeiro patagônico, prato típico da região. Seria a primeira vez que provaríamos o cordeiro. Chegando lá, prontamente um garçom nos conduziu à uma mesa. O bom atendimento parou aí. Os garçons estavam mal humorados e debochados e achei o ambiente muito feio e incômodo. Pedimos o cordeiro, que eu particularmente não gostei. A carne em si é bem saborosa, mas é muito gordurosa e ossuda. O cordeiro veio servido com batata frita (tinha opção de purê de batatas) – ou eu deveria dizer pedaços de pau fritos? – pois estavam duras como pedacinhos de pau.

Boliche de Alberto Parrilla. Não recomendamos.

Boliche de Alberto Parrilla. Não recomendamos.


O Boliche de Alberto é também conhecido por suas parrillas, uma espécie de churrasco argentino. Não experimentamos parrilla, mas pela experiência no geral, não recomendo o Boliche de Alberto – Parrilla. Certamente um restaurante que estará fora da minha lista numa próxima visita à cidade.

Rastaurante Boliche de Alberto – Pastas
Muito frio cai bem com uma massa quentinha. Bem pertinho do Boliche de Alberto Parrilla está o Boliche de Alberto Massas. Esse sim gostamos muito. Atendimento bem melhor, garçons bem atenciosos e tudo bem rápido. Tomamos vinho tinto e escolhemos lasanha à bolonhesa. Pedimos uma sugestão à garçonete que nos atendeu e ela sugeriu que dividíssemos a lasanha em dois pois o prato vem muito bem servido.

Não sobrou nada da lasanha do Boliche de Alberto - Pastas. Bem melhor que Boliche Parrillas

Não sobrou nada da lasanha do Boliche de Alberto – Pastas. Bem melhor que Boliche Parrillas


Quem é de comer muito, certamente consegue comer a lasanha inteira, mas para nós, uma para dois foi suficiente. Marcos ainda provou, e aprovou, o pudim de sobremesa. Tá recomendado!

Restaurante Familia Weiss
O restaurante Familia Weiss é lindo, muito bem arrumado e decorado, o ambiente muito bacana, a iluminação é linda. Achei o atendimento fraco, os garçons muito fechados e distantes e custam a atender. Confesso que esperava mais, mas a truta estava bastante boa. Nesse dia eu estava muito cansada e achei que o cansaço havia atrapalhado meu julgamento sobre o restaurante. Por isso, quis voltar uma outra vez.

Truta no restaurante Familia Weiss

Truta no restaurante Familia Weiss


Na segunda vez experimentamos a tábua de defumados, especialidade do Familia Weiss. Dessa vez o atendimento foi mais rápido, mas nada que se comparasse em atenção ao atendimento do La Marmite, por exemplo. Não gostamos dos defumados, mas isso é questão de gosto. Havíamos nos alimentado bem aquele dia e o espaço no estômago estava pouco. Ficamos mesmo só na tábua de defumados e resolvemos pedir sobremesas. Arriscamos no brownie com sorvete e na panqueca de maçã ao rum. Ambos muito fracos. De qualque maneira, o restaurante vale a visita, nem que seja para uma foto. :P

Restaurante Familia Weiss

Restaurante Familia Weiss


Além do restaurante eles têm o Ahumadeiro Weiss, famoso na região, onde preparam os mais variados defumados que são servidos no restaurante.

Restaurante da Confeitaria Giratória do Cerro Otto
Passamos o último dia da viagem brincando com a neve no Cerro Otto. Depois de dias de chuva, conseguimos ver neve cair por lá. Ao longo do dia, fomos várias vezes à confeitaria giratória, que é um charme por si só. Um café para espantar o frio, um chocolate quente para trazer o corpo de volta à vida… aproveitamos e almoçamos por lá um ravioli. O preço é um pouco salgado e o prato não é dos mais fartos, mas compensa. Gostamos bastante do ravioli e à tarde experimentamos os tostados deles, também muito bons. A vista é linda!

Confeitaria giratória do Cerro Otto. Que vista!

Confeitaria giratória do Cerro Otto. Que vista!


Quem nos atendeu por lá foi a Paola, uma garçonete muito simpática e atenciosa. No menu, as opções estão traduzidas para o português. A confeitaria giratória tem uma vista linda e completa um giro de 360º a cada 20 minutos. Não, você nem sente que está se movendo, só nota se prestar atenção à paisagem. :)

Restaurante Doña Quela, San Martín de Los Andes
Depois de fazer a Rota dos Sete Lagos, pernoitamos em San Martín. Pedimos referência de restaurante no hotel e chegamos ao Doña Quela. Pedimos os famosos ojo de bife e bife de chorizo tão famosos na Argentina. E fazem jus à fama. O restaurante é bem aconchegante, a comida muito boa e o garçon que nos atendeu, uma simpatia. Recomendo.


Restaurante Girula
Bem, não nos recordávamos o nome desse restaurante. Então perguntei a um amigo de Bariloche que, pela minha descrição, concluiu ser o restaurante Girula. Como não encontrei fotos, não consegui identificar o lugar. Queria falar do nhoque com molho de alfavaca que comemos nesse restaurante de massas que o guia Rodi nos indicou. Maravilha! É um restaurante pequeno e me pareceu ser mais frequentado por moradores da cidade. Alguns turistas. Fica localizado perto do hotel Panamericano e perto também de outros restaurantes mais “famosos”. O ambiente é um pouco confuso pois o restaurante é pequeno, mas gostamos muito da comida.

Outros locais onde comer:

Em todos os cerros você encontra abrigos no alto da montanha ou lanchonetes na parte baixa como é o caso do Cerro Catedral.

Empanadas do shopping na base do Cerro Catedral

Empanadas do shopping na base do Cerro Catedral


No Catedral experimentamos as tortas de maçã e de limão do Refúgio Lynch e empanadas em uma das lanchonetes de dentro do shopping na base do Cerro. Por lá há de tudo. As lanchonetes estão espalhadas por toda a parte.

Torta de maçã do Refúgio Lynch, no Cerro Catedral

Torta de maçã do Refúgio Lynch, no Cerro Catedral


Na Rua Mitre, no centro de Bariloche, há muitos cafés, muitos mesmo. Além disso, você pode comprar empanadas e outros tipos de comida no mercado a preços bem baixos. De lá só experimentamos as empanadas e achamos fraquinhas. Mas você pode montar “marmitas” com as opções que eles oferecem. Barato, só não sei dizer se a qualidade compensa.

Por todo o centro da cidade há restaurantes dos mais variados que oferecem diversos tipos de preços e cozinhas.

No caminho para o Cerro Tronador, já dentro do Parque Nacional Nahuel Huapi, almoçamos na Hostería Pampa Linda. Não há muitas opções e a comida é cara, mas não achamos ruim. Fomos de nhoque com carne assada. Um prato muito simples, com molho mais simples ainda. Quebrou o galho.

Ao final do Circuito Chico, pertinho de Puerto Pañuelo, existe também um pequeno restaurante que serve sopas, empanadas, tortas e outros pratos. Gostamos bastante das empanadas de lá.

Para os interessados em alimentação bem mais em conta, para o almoço encontra-se no centro da cidade restaurantes chamados “tenedores libres”, onde você paga um valor fixo e pode se servir à vontade.

Ah, sim, os vegetarianos não ficam de fora pois tem lá o El Vegetariano. O próprio nome já explica, né? :)

No que diz respeito à gastronomia, Bariloche é uma cidade espetacular. As opções de restaurantes são muitas e as culinárias também.

Quando planejar sua viagem, não se esqueça de incluir um roteito gastronômico. Você não vai se arrepender.

Mapa marcando os restaurantes comentados nesse post:

View Onde comer em Bariloche, ArgentinaVer mapa maior

Outros posts sobre Bariloche e arredores:
Sessenta dicas rápidas sobre Bariloche e região
Como se vestir na neve
Roteiro de 4 dias em Bariloche
Circuito Chico e Cerro Campanário, Bariloche
Hotel del Viejo Esquiador, San Martín de los Andes
Hotel Nahuel Huapi, Bariloche
Domingo de neve no Cerro Otto, Bariloche
Villa la Angostura e Cerro Bayo
Passeio Lacustre: Isla Victoria y Bosque de Arrayanes
Cerro Catedral, o centro de esqui mais importante do hemisfério sul
Rota dos Sete Lagos, de Bariloche a San Martín de Los Andes
Cerro Tronador e Ventisquero Negro
Bariloche, Argentina. E tinha neve no paraíso!
De San Martín de Los Andes a Bariloche por Rinconada

Gostou do artigo? Dê um “curtir” e compartilhe com seus amigos!


Siga-nos no Twitter: @viagensandancas (www.twitter.com/viagensandancas)
Curta o Viagens & Andanças no Facebook: www.facebook.com/viagenseandancas

    Receba nossas atualizações por e-mail:



13 Responses to Onde comer (ou não) em Bariloche e San Martín

  1. Priscila Pereira disse:

    Boa tarde!

    Estou pretendo ir a Bariloche no inicio de Set/2014 e estou querendo fazer um levantamento de quanto devo gastar em média para comer durante 8 dias. Serão duas refeições por dia, já que o café da manhã será gratuito no hotel.

    Algumas pessoas que já foram, falam em média de U$ 60.00 o casal, por refeição. Porém, estive hoje na CVC e a mesma me deu um levantamento de U$ 70.00 a U$ 100.00 individual por refeição.

    Por acaso você pode me ajudar neste levamento? Estou super confusa.

    Att.,
    Priscila Pereira.

    • Camila Guerra disse:

      Olá, Priscila!
      Valor da alimentação depende muito do restaurante, do tipo de prato, da bebida que vai acompanhar e se vai em alta/média ou baixa temporada. Pelo que tenho visto dos valores de 2014, acho que dá pra reservar cerca de 200 PESOS por pessoa/refeição em bons restaurantes (mas não nos restaurantes badalados). Achei o valor que a CVC te deu um pouco fora da realidade no momento.
      []’s

  2. Josete disse:

    Qual o mês da viagem a bariloche?

  3. Tiffany disse:

    apaixonada com seu blog! Eu e minha família vamos para Bariloche daqui duas semanas (13 de julho) e juro, fiquei mil vezes mais empolgada depois de ver tantas fotos tão lindas de lá! tipo… OMG é perfeito! Parabéns pelo blog, pelas fotos, pelo diário de viagem, por tudo!

    • Camila Guerra disse:

      Oi, Tiffany!
      Obrigada pela visita e pelos elegios! Muito bom conseguir inspirar as pessoas. :)
      A região de Bariloche é incrível, tenho certeza que você vai se apaixonar.
      Boa viagem!
      []’s

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Scroll to top